Barraco na delegacia

Cristina Mortágua é absolvida por desacatar delegada após bater no filho

AgNews

O advogado Sylvio Guerra e a ex-modelo Cristina Mortágua após depoimento à Justiça, no Rio - AgNews

O advogado Sylvio Guerra e a ex-modelo Cristina Mortágua após depoimento à Justiça, no Rio

DANIEL CASTRO - Publicado em 26/02/2018, às 05h34

Uma das mulheres mais bonitas do país no início dos anos 1990, a ex-modelo Cristina Mortágua foi absolvida em processo judicial em que é acusada de desacatar a delegada Daniela dos Santos Rebelo Pinto, em fevereiro de 2011, quando foi levada por policiais militares à 16ª DP, no Rio de Janeiro, após agredir o próprio filho, Alexandre, fruto de seu relacionamento com o ex-jogador de futebol Edmundo Alves de Souza Neto, atualmente comentarista da Fox Sports.

Em sentença publicada na última sexta-feira, a juíza Ana Luiza Coimbra Mayon Nogueira, da 21ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, concluiu que "é indiscutível o transtorno causado à autoridade policial na época", mas levou em consideração que a ex-musa estava sob efeitos de remédios "tarja preta", em estado de "perturbação da saúde mental", e acatou o argumento do advogado Sylvio Guerra de que Mortágua agiu sem dolo, sem o "elemento subjetivo do tipo penal", ou seja, ela não teve a intenção "específica de ofender e desrespeitar".

O barraco protagonizado por Cristina Mortágua, que por causa dele viria a participar da sétima edição de A Fazenda (2014), foi um dos casos mais rumorosos do início de 2011. Alimentou seções policiais e revistas e colunas de celebridades durante semanas.

Cristina Mortágua e o filho, Alexandre, brigam na delegacia diante de câmera de segurança

Mortágua foi levada à delegacia porque teria batido em seu filho, então com 16 anos, porque não admitiria sua homossexualidade. O rapaz fez questão de registrar boletim de ocorrência contra sua mãe. Enquanto era atendido por policiais, Alexandre teria sido agredido novamente, com um celular na cabeça. Câmeras de segurança comprovaram a briga entre mãe e filho na delegacia.

Segundo registra a juíza Ana Luiza Nogueira em sua sentença, Mortágua, ao ser contida, passou a gritar que todos os policiais da delegacia eram "comprados pelo ex-jogador Edmundo".

Indignada com a acusação de corrupção, a delegada interveio. Foi então xingada de "vagabunda", "safada" e "piranha" e ofendida com palavrões como "vai tomar no c*" e "f***-se". Mortágua teria tentado agredi-a com uma joelhada, mas a policial teria se esquivado.

Descontrolada, a ex-modelo ainda ameaçou se matar. Correu para a rua, gritanto que iria se atirar diante de um ônibus, e tentou ser atropelada, sem sucesso.

Mortágua, em seguida, foi presa em flagrante por desacato à autoridade policial. A fiança foi fixada em R$ 6.000. Ela também respondeu a processo na Vara de Infância e Juventude pelo suposto ataque ao filho.

Em interrogatório, Mortágua afirmou que na época tomava vários remédios, o que foi confirmado por policiais que foram à sua casa, e que um deles induzia ao sono e causava amnésia. À Justiça, ela disse se lembrar "vagamente" de ter ido à delegacia, que tinha "alguns flashes" quando via alguma fotografia. 

Um exame toxológico feito logo após a prisão da ex-modelo comprovou que ela estava sob efeito de Rivotril, considerado pela juíza do caso uma "substância entopercente medicamentosa". Tinha tomado três compridos algumas horas antes do barraco.

Tentou-se alegar insanidade mental, e o laudo demonstrou que a ex-namorada de Edmundo "era inteiramente capaz de entender o caráter ilícito do fato", mas, naquele dia, não era "inteiramente capaz de determinar-se segundo esse entendimento, em razão de perturbação da saúde mental", salientou a juíza Ana Luiza Nogueira na sentença.

"Depreende-se, portanto, que as provas produzidas na instrução criminal, sob o crivo do contraditório e da ampla defesa, são aptas a fundamentar a certeza da autoria e da materialidade do crime imputada à ré", escreveu a juíza. "Contudo, [foi] demonstrado igualmente nos autos a ausência de dolo específico de ofender e desrespeitar", concluiu.

Musa
Cristina Mortágua, hoje com 47 anos, foi capa de revistas masculinas no início dos anos 1990, como a Playboy e a Sexy. Na TV, atuou em um seriado da dupla Leandro e Leonardo, na Globo, em 1991. No ano seguinte, venceu o Concurso das Panteras, na Manchete. Em 1996, participou de Perdidos de Amor, novela da Band, e brilhou na Banheira do Gugu dois anos depois.

Voltou à TV em 2014, em A Fazenda, onde protagonizou alguns barracos. Foi a quinta eliminada.

Leia também

 

 

Enquete

Quem deve ter o pior final em Deus Salve o Rei?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook