Séries

Resoluções de Ano Novo

De sexo vintage a feminismo da vovó: dez séries de 2017 para ver em 2018

Divulgação/HBO

James Franco duplicado em The Deuce; ator foi um dos destaques do ano na pele de gêmeos - Divulgação/HBO

James Franco duplicado em The Deuce; ator foi um dos destaques do ano na pele de gêmeos

JOÃO DA PAZ - Publicado em 01/01/2018, às 06h18

Mais de 500 séries foram exibidas em 2017 na TV norte-americana, um recorde histórico. Pelo menos dez produções merecem a sua atenção neste começo de 2018 _se você ainda não as viu, é claro. Entre elas estão The Deuce, sobre o surgimento da indústria pornográfica nos 1970, e a comédia The Marvelous Mrs. Maisel, da Amazon, que traz um feminismo dos tempos da vovó: a protagonista é uma mulher separada, nos anos 1950, que trabalha em magazine de dia e à noite conta piadas em um bar sujo.

Séries criminais mais elaboradas também se destacaram, como Mindhunter (Netflix) e Snowfall (Fox Premium). E, pela primeira vez, uma atração de uma plataforma de streaming venceu o Emmy de melhor drama: The Handmaid's Tale, da Hulu.

O Notícias da TV lista a seguir as dez séries imperdíveis de 2017:

Divulgação/Starz

A deusa que representa Mercúrio (Cloris Leachman) toma uma ao lado de Odin (Ian McShane)

American Gods
Um conflito entre deuses antigos e modernos é suficiente para atrair público para a TV. Inspirada no livro homônimo de Neil Gaiman, lançado em 1990, American Gods (Amazon) deixou os fãs de séries fascinados e confusos ao mesmo tempo. Se por um lado tateavam em busca de um guia para entender melhor a trama, por outro ficaram encantados com os personagens excêntricos, do deus nórdico Odin (Ian McShane) ao deus da tecnologia, o Technical Boy (Bruce Langley). No meio disso tudo, a cena de sexo gay mais explícita não-pornô já mostrada na TV.

Divulgação/Netflix

A Guerra Fria entre EUA e URSS foi representada em Glow por Betty Gilpin (à esq.) e Alison Brie

Glow
Mulheres com roupas de lycra se unem para lançar uma liga de luta livre, vivem em um motel e são dirigidas por um machista usuário de cocaína. A fórmula inusitada de Glow (Netflix) vingou, e muitos ficaram surpresos ao descobrir que essa história foi inspirada em fatos reais. Entre tantos personagens cativantes, destaca-se Debbie Eagan (Betty Gilpin), ex-atriz que virou dona de casa, mas larga os afazeres domésticos para encarnar a heroína do grupo, a patriota Liberty Belle.

divulgação/hbo

Dendrie Taylor (à esq.) e Sarah Hay em Room 104: episódio só com danças e sem diálogo 

Room 104
Série mais delirante do ano, Room 104 (HBO) é imbatível na imprevisibilidade. E como cada episódio conta uma história diferente, é fácil de acompanhar e não há necessidade de ser fiel à sequência de episódios. O drama tem bons atores escalados, como Veronica Falcón (A Rainha do Sul), James Van Der Beek (Dawson's Creek) e Orlando Jones (Sleepy Hollow). As histórias malucas vão de um filho que discute com a mãe por telefone à babá que cuida de uma criança macabra.

divulgação/netflix

Jonathan Groff (à esq.) e Happy Anderson em Mindhunter: no que pensa um serial killer?

Mindhunter
Uma das gratas surpresas do ano, Mindhunter (Netflix) trouxe uma complexidade pouco vista em outras séries policiais. O drama mergulha na mente de serial killers norte-americanos em meados dos anos 1970, época na qual o FBI (a polícia federal do país) ainda engatinhava na coleta de dados e análise comportamental desse tipo de criminoso. Outra peculiaridade da trama é a inspiração em casos reais _há citação a criminosos notórios, de Charles Manson a David Berkowitz.

divulgação/fx

Malcolm Mays (à esq.), Damson Idris e Isaiah John em Snowfall; três amigos atrás do dinheiro

Snowfall
Das atuais séries ambientadas nos anos 1980, Snowfall (Fox Premium 2) é a que melhor explora o lado cruel das ruas. Assinada pelo experiente cineasta John Singleton (Os Donos da Rua), o drama retrata o surgimento do crack na periferia de Los Angeles. O consumo da nova droga pela população mais carente gerou uma onda de violência policial e iniciou a guerra entre gangues. São dois os pontos de vista contados na história: o dos traficantes e o da polícia.

divulgação/hbo

Maggie Gyllenhaal brilha na pele de uma prostituta em The Deuce; indicação ao Globo de Ouro

The Deuce
O poder da nova série da HBO, The Deuce, é tão grande que reimpulsionou a carreira de James Franco, indicado ao Oscar em 2011 pelo filme 127 Horas. Ele interpreta dois personagens, os gêmeos Vincent e Frankie Martino. A história sobre os primeiros passos da indústria pornográfica na Nova York dos anos 1970 coloca a atriz Maggie Gyllenhaal, intérprete de uma prostituta com o sonho de virar uma magnata do cinema erótico, como uma das favoritas ao Globo de Ouro.

divulgação/cbs

Com Christine Baranski (à esq.) e Cush Jumbo, Good Fight segue o sucesso da série-mãe

The Good Fight
Continuação da bem-sucedida The Good Wife (2009-2016), o drama The Good Fight  (Amazon) é uma atualização melhorada da série-mãe. A novata é protagonizada pela advogada Diane Lockhart (Christine Baranski) e inclui um componente de tensão racial e política na era Trump, com uma firma liderada por negros, situada em Chicago, adepta de uma ideologia mais à esquerda. Fora isso, Good Fight aproveita personagens de Good Wife favoritos do público, como a inquieta Marissa Gold (Sarah Steele) e a advogada Lucca Quinn (Cush Jumbo).

divulgação/Hulu

Elisabeth Moss (à esq) e Alexis Bledel em The Handmaid's Tale: dupla vencedora no Emmy

The Handmaid's Tale
A série do ano, em apreço do público, exaltação da crítica e desempenho em premiações, é The Handmaid's Tale (que estreia no Brasil em 2018 no Paramount Channel). Vencedora do Emmy, o drama distópico mostra os Estados Unidos sob uma ditadura fundamentalista cristã, na qual as mulheres férteis servem apenas para procriar para famílias ricas. As atuações das atrizes chamam a atenção pela alta qualidade: Elisabeth Moss (Mad Men), Alexis Bledel (Gilmore Girls), Ann Dowd (The Leftovers) e Samira Wiley (Orange Is the New Black) foram todas indicadas ao Emmy de 2017.

divulgação/amazon

Uma das grandes surpresas do ano, Rachel Brosnahan dá show em Marvelous Mrs. Maisel

The Marvelous Mrs. Maisel
A Amazon apresentou no finalzinho de 2017 uma comédia divertidíssima, que vem pegando em cheio os amantes de tramas de época. Criada por Amy Sherman-Palladino (Gilmore Girls), The Marvelous Mrs. Maisel é um achado. Conta a história da dondoca Miriam Maisel (Rachel Brosnahan), conhecida como Midge, que se vê inserida no mundo da comédia stand-up na Nova York do final dos anos 1950. As referências de seis décadas atrás são curiosas e não faltam piadas sobre aspectos triviais daquele tempo, como usar um telefone com discador rotativo e ter somente uma televisão em casa, fatos que são completamente distantes do mundo atual.

divulgação/CBS

Estrela de Young Sheldon, o ator Iain Armitage é uma das revelações do ano na TV dos EUA 

Young Sheldon
A rede norte-americana CBS criou uma máquina de dinheiro ao desenvolver Young Sheldon (CBS), série derivada de The Big Bang Theory, maior audiência da TV norte-americana. Sagaz e com apelo, a trama sobre a infância de Sheldon é a novata de maior audiência da temporada e já foi renovada para um segundo ano. Com um estilo que lembra Anos Incríveis, Young Sheldon se distancia da série-mãe ao ser filmada com uma única câmera (como no cinema) e não ter a claque, aquelas risadas de fundo que soam falsas.

Notícias da TV Recomenda

Room 104

Ficha técnica: Suspense, EUA, 2017. Criação: Mark Duplass, Jay Duplas. Elenco: Orlando Jones, Amy Landecker, Veronica Falcon, James Van Der Beek. Disponível na HBO e no Now.

Room 104

Sinopse: Ambientada em um único quarto de hotel barato, a série traz uma história diferente a cada episódio. Os capítulos exploram todos os tipos de gênero, do horror ao policial, passando pela comédia e pelo drama.

Assista agora no NOW

Curta no Facebook Curta no Facebook
Siga no Twitter Siga no Twitter

Notícias da TV Recomenda

Vitória: A Vida de uma Rainha

Ficha técnica: Drama, Inglaterra, 2016. Criação: Daisy Goodwin. Elenco: Jenna Coleman, Tom Hughes, Peter Bowles, Eve Myles, Rufus Sewell. Disponível no Now.

Vitória: A Vida de uma Rainha

Sinopse: Monarca mais importante do Reino Unido, a rainha Vitória (Jenna Coleman) é tema de uma série que mostra seu reinado a partir da chegada ao trono, aos 18 anos, e seu relacionamento com o primeiro-ministro Lord Melbourne (Rufus Sewell) e o casamento com o príncipe Albert (Tom Hughes). Suas duas únicas temporadas (até agora) só estão disponíveis em vídeo sob demanda.

Por que assistir: Indicada a dois Emmys e eleita melhor drama no Festival de Monte-Carlo, a produção impressiona pela reconstituição primorosa da era vitoriana, com belos cenários e figurinos. Nos Estados Unidos e na Inglaterra, críticos classificaram a série como a sucessora natural da premiada Downton Abbey (2010-2015). A atriz Jenna Coleman, querida pelos fãs de Doctor Who, brilha na pele da monarca.

Assista agora no NOW

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

ENQUETE

Enquete

Mais um BBB vem por aí e...

Compartilhe: