Novelas

Novela da novela

Globo tenta convencer autor a fazer novela que ele jurou não escrever nem o nome

Divulgação/TV Globo

Aguinaldo Silva em participação no Altas Horas: ele terá de escolher entre duas novelas - Divulgação/TV Globo

Aguinaldo Silva em participação no Altas Horas: ele terá de escolher entre duas novelas

DANIEL CASTRO e LUCIANO GUARALDO - Publicado em 07/12/2017, às 06h00

A Globo está tentando convencer o autor Aguinaldo Silva a voltar atrás da decisão de não escrever mais a novela O Sétimo Guardião, envolvida em uma grande polêmica sobre direitos autoriais que ainda pode acabar na Justiça. Silva entregou uma nova sinopse de novela à Globo, com o título provisório de Enquanto o Lobo Não Vem, mas a cúpula da emissora prefere O Sétimo Guardião para estrear no último trimestre do ano que vem.

A nova sinopse, que Silva escreveu entre outubro e novembro em Lisboa, foi aprovada, mas não tem a mesma força de O Sétimo Guardião, que marcaria a volta do autor ao realismo fantástico, gênero que se caracteriza por pessoas e situações extraordinárias, como as novelas A Indomada (1997) e Pedra Sobre Pedra (1992).

Silvio de Abreu, diretor de teledramaturgia diária da Globo, segundo uma fonte do Notícias da TV, avalia que O Sétimo Guardião é uma novela mais completa, com personagens mais interessantes e carismáticos. A decisão final, no entanto, caberá ao autor.

Se Aguinaldo voltar atrás, terá que engolir o que escreveu. No começo de novembro, quando preparava a sinopse de Enquanto o Lobo Não Vem, ele publicou em seu blog que "nunca mais sequer escreverei o título" da "novela descartada", referindo-se a O Sétimo Guardião.

Todo esse ressentimento vem da longa polêmica envolvendo o escritor mineiro Silvio Cerceau, que foi aluno de um curso de roteiro ministrado por Silva no final de 2015. Durante a master class, os 26 estudantes desenvolveram personagens e cenas completas, seguindo uma escaleta (sequência de acontecimentos) criada pelo autor.

A técnica de distribuir cenas entre a equipe é comum entre autores e seus colaboradores, que são creditados e recebem salário da Globo. A utilização de alunos de uma master class para a criação de uma sinopse para a Globo, no entanto, gera controvérsia.

Depois que a sinopse de O Sétimo Guardião foi aprovada pela emissora, todos os participantes do curso tiveram de assinar um documento em que cediam os direitos patrimonais para Silva. Depois, em um novo acordo, seria acertada a cessão dos direitos morais e autorais da criação.

Cerceau, então, decidiu confrontar Silva. "A minha maior dúvida é por que eu tenho que ceder os direitos de um material do qual sou autor para a Casa Aguinaldo Silva de Artes", disse o escritor, em setembro, ao Notícias da TV.

O estudante chegou a notificar Aguinaldo extrajudicialmente para que o autor prestasse esclarecimentos. "Se não houver resposta e solução, vai ter processo, sim. Vou ativar meus advogados", alertou o ex-aluno.

Aguinaldo Silva, então, se revoltou e decidiu abrir mão de O Sétimo Guardião.

Apesar de ter resolvido dessa forma drástica o imbróglio com o ex-aluno, Silva não perde a oportunidade de alfinetá-lo em suas redes sociais. Já postou textos irônicos sobre como é fácil virar autor de novela, já insinuou que Cerceau não sabe sequer falar direito, quanto mais escrever uma obra na Globo e escreveu que já morou na Lapa e aprendeu "com Madame Satã [1900-1976] a dar rasteira em malandro".

Cerceau também contra-atacou no Twitter. "Aprendeu mesmo, além de dar rasteira em malandro, aprendeu a sempre sair impune de suas ações ilícitas", escreveu em outubro. No início deste mês, postou: "Quem se ama não experimenta a solidão. Sua própria companhia lhe basta" _antes, Silva já havia escrito que escrever uma novela é um ato muito solitário.

Em novembro, sem citar nomes, Silvio Cerceau também acusou Silva. "Até nas redes sociais, algumas vezes, é o outro que escreve para ele", atacou, em referência a Francisco Patrício, assessor pessoal de Silva. Antes, tinha postado: "Desapega. Conta uma nova história. O que passou, passou".

Pelo jeito, nem a Globo desapegou de O Sétimo Guardião. Resta saber se Aguinaldo Silva voltará atrás de suas palavras e topará dizer o nome da novela outra vez.

Curta no Facebook Curta no Facebook
Siga no Twitter Siga no Twitter

Notícias da TV Recomenda

Polícia Federal: A Lei É para Todos

Ficha técnica: Ação. Brasil, 2017, 107 min. Direção: Marcelo Antunez. Elenco: Marcelo Serrado, Flávia Alessandra, Antonio Calloni, Ary Fontoura. Disponível para locação no Now.

Polícia Federal: A Lei É para Todos

Sinopse: O longa mostra a maior operação de combate à corrupção da história do país pelo ponto de vista do delegado Ivan (Antonio Calloni) e de sua equipe da Polícia Federal, que trabalha juntamente com uma força-tarefa do Ministério Público Federal para desvendar o esquema de lavagem de dinheiro e pagamento de propinas.

Por que assistir: A produção nacional mais vista nos cinemas em 2017, com 1,3 milhão de espectadores, Polícia Federal conta uma história extremamente atual e fundamental para entender a polícia no Brasil. Em 47 fases diferentes, a Operação Lava Jato resultou na condenação de mais de 110 pessoas, entre elas o ex-deputado Eduardo Cunha e o político José Dirceu.

Assista agora no NOW

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

ENQUETE

Enquete

Quem você quer que ganhe a Dança dos Famosos?

Compartilhe: